Professor de Inglês Nativo: saiba quando procurar

11 de agosto de 2014

professor-nativo-de-ingles-min

Muita gente que começa a estudar inglês pensa que um professor nativo é necessariamente melhor que um um professor brasileiro. A lógica é mais ou menos a mesma seguida por muitos músicos de primeira viagem: uma guitarra importada é melhor que um violão acústico nacional, certo? Bem, tanto para o caso da guitarra quanto do professor, a resposta é a mesma: depende do seu nível inicial e do que você pretende fazer com esse conhecimento.

 

Vamos aos prós e contras de escolher um professor de inglês nativo. Os prós são que o inglês do professor já vem livre de sotaque e ele tem pleno domínio de todas as expressões idiomáticas, gírias e referências culturais como música, televisão, datas comemorativas, etc. Com sorte, pode inclusive se tratar de um professor que conhece muito de gramática e aquisição de linguagem, talvez mesmo sobre literatura e outras artes. Um professor assim é um prato cheio para quem vai viajar ou se mudar ao país dele. E se o aluno já consegue se virar bem no idioma, vai chegar ao país novo com o sotaque, as expressões, a cultura, a geografia, tudo pronto para aventurar-se em inglês fluente.

 

Entretanto, um professor de inglês nativo não teve de aprender o inglês da forma como o aluno está aprendendo. Quando um aluno brasileiro não sabe inglês e quer aprender sem sair do país, ele precisa iniciar um processo que leva à independência do português. Este aluno não é como um bebê estadunidense que adquire ao longo dos primeiros anos todos os caminhos neurais que vão conectar o seu raciocínio ao idioma-alvo. Já adulto, ele precisa compreender como não depender do português para pensar (organizar ideias em frases) – um trabalho que envolve paciência, muitas noções de gramática e, claro, uma mão amiga e experiente para guiá-lo através de um caminho que não precisa ser tão penoso ou tão desafiador quanto muitos imaginam.

 

Para resumir, um bom professor de inglês nativo oferece confiança na fala e muitas minúcias linguísticas a quem aprende o inglês. É mais útil para quem já sabe inglês, para quem viaja bastante e para quem sabe exatamente o que quer no idioma (há quem queira falar inglês para fazer compras e só; outros querem somente conversar com o chefe gringo sobre relatórios e balanços comerciais). E um bom professor brasileiro de inglês oferece ótimos insights sobre como fazer a ponte entre o português e o inglês, sabe quais são as melhores ferramentas e estimula o aluno a falar aos poucos, desde o início e “de baixo para cima”, ou seja, falando antes sobre sua rotina, seus amigos, sua casa e seus objetos cotidianos, deixando assuntos complexos e abstratos para depois.

 

Existe um motivo para aprendizes de guitarra geralmente comprarem um violão antes de tentarem sacar as distorções mais alucinantes de uma Gibson como a do Jimmy Page. E esse motivo é a necessidade de habituar-se a uma linguagem nova, com padrões próprios. Para improvisar livremente e distorcer as notas, é necessário saber extrair o som fundamental de cada nota no instrumento novo. E para falar inglês é preciso saber que o verbo TER tem usos extremamente diversos do verbo TO HAVE, mesmo que um seja a tradução literal do outro. TER e HAVE estão em instrumentos diferentes, mesmo que ambos façam música. O ideal para quem está começando é que o professor seja virtuoso nos dois.

 

Isso tudo não quer dizer que um professor de inglês nativo não possa explicar o be-a-bá do inglês e nem que um professor brasileiro de não possa discutir as sutilezas de polidez, distância, pronúncia adequada e outros detalhes da socialização em inglês em diversos níveis de formalidade, de diversos países diferentes em que o idioma é falado. As generalizações discutidas acima servem para guiar, mas não são regras. Se há alguma regra nisso tudo, é esta: tem que “rolar uma química”. Uma dica para quem tem pressa e pouco tempo são as consultorias de idioma, empresas especializadas em fornecer o material didático e humano que mais se adeque a cada aluno. Apesar de mais cara, é uma alternativa muito bem-vinda às conhecidas franquias de escolas de inglês, onde todos tem o mesmo violão para tocar samba, rock, funk, clássico ou jazz.

 

Eric Bortolato é jornalista, consultor de inglês e coordenador do curso de português para estrangeiros do Instituto Mindset, em São Paulo-SP.

Posts em destaque

10-curiosidades-da-lingua

10 Curiosidades da Língua Inglesa

Como todas as outras, a língua Inglesa possui algumas curiosidades bem interessantes. Confira abaixo 10 curiosidades que você talvez não conheça ou não tenha se dado conta...

Leia mais
4dicas-pensar-em-ingles

4 dicas para pensar em inglês!

Você que está estudando ou tem muita vontade de aprender inglês já deve ter escutado a seguinte dica: “Você tem que tentar pensar em inglês”.   

Leia mais
dicas-de-Ingles

5 dicas para aprender Inglês

Aprender Inglês é algo que para alguns parece a coisa mais difícil do mundo e para outros a coisa mais demorada do mundo. Mas, para nossa felicidade não precisa nem ser difícil nem demorado.

Leia mais

Quer saber mais sobre nossos cursos?

Quer saber mais sobre nossos cursos?

Home >

Quer um desconto

em um dos cursos?

Reunião gratuita com um consultor de inglês!

X

Quer um desconto em

um dos cursos?
Agendar minha reunião
Venha testar o seu nível

de inglês

Nas habilidades seguintes:

Gramática e vocabulário

Compreensão de textos

Compreensão auditiva

Testar meu inglês X