ERROS GRAMATICAIS PERSISTENTES QUE DEMOLEM A FLUÊNCIA

contact us



Depois de algum tempo estudando a língua inglesa e lidando com ela com frequência durante a vida, muitas pessoas se tornam capazes de se comunicar bem por ela. Mas mesmo quem já trabalhou muito com o inglês, talvez tenha até viajado para muitos lugares do mundo e se virado com o idioma, sabe: a fluência mesmo pode sempre parecer algo distante.

Você se identifica?

Pois neste texto, vamos ver um pouco sobre o que bloqueia o pleno desenvolvimento dos falantes de inglês para além dos limites do intermediário superior (B2). Ou, melhor dizendo, venha saber o que pode estar atrapalhando (e muito) a sua fluência.

 

Múltiplas causas, mesmos resultados

Entre as causas possíveis para esse travamento estão a inadequação da pronúncia, a falta de vocabulário e a gramática falha. Todas as três são importantes. No caso da pronúncia, por exemplo, confundir as palavras thought, fought and taught pode gerar grandes ruídos de comunicação. E se você nem entendeu essas palavras, vai precisar de vocabulário antes de pensar na fluência.

Mas estamos falando aqui de gramática. E já adiantamos que a maioria dos problemas nesse departamento têm a mesma origem, que é a tradução quase instantânea do português para o inglês, antes da voz sair.

 

Tradução não é o que você pensa

A tradução não consiste em cegamente passar um texto escrito ou falado de uma língua para outra, de forma literal. Trata-se da atividade profissional de passar os significados que estão por trás de um idioma para outro. Os significados em si não podem mudar – mas a escolha das palavras e da gramática adequadas passam muito longe da tradução literal.

Os próprios tradutores não pensam em seus idiomas em suas cabeças enquanto falam outros. E isso se deve ao fato de que eles são fluentes. Eles conseguem já pensar em inglês ou qualquer outra língua, sem o português como intermediário. Logo, eles não se preocupam com as idiossincrasias gramaticais, apenas sabem automaticamente como passar a mesma ideia em outro idioma.

Qual a maneira certa de chegar na fluência, então? Bem, cercando-se com a língua alvo a ponto de transformá-la em algo natural para você. E tendo a sensibilidade de notar (ou ser informado) os seus erros e fraquezas como um todo.

 

Exemplos de erros gramaticais

Agora que você já sabe o que é importante começar a fazer para atingir a fluência, vamos ver alguns exemplos de como a falta de fluência aparece em situações diárias:

 

Questions – básico

Fazer perguntas em inglês é fundamental. Mas muitos falantes brasileiros de inglês têm uma enorme dificuldade para fazer perguntas de forma correta. Mesmo quando essa dificuldade não existe em frases afirmativas e negativas.

Por isso, nosso conselho é incluir a criação de perguntas com as frases afirmativas e negativas que você consegue criar com facilidade. Assim, você vai evitar problemas como:

You rented a car here? > Did you rent a car here? (Você alugou um carro aqui?)

She is late, isn’t it? > She is late, isn’t she? (Ela está atrasada, não está?)

You went to the beach this weekend? > Did you go to the beach this weekend? (Você foi à praia neste fim de semana?)

Há muitos outros erros possíveis com o uso de verbos auxiliares e perguntas de confirmação. Você pode melhorar as suas perguntas com este artigo aqui.

 

Have; there + to be; to be – básico e intermediário

Erros com os termos acima são extremamente comuns para os iniciantes, mas não são apenas eles que os cometem:

I have 35 years-old. > I am 35 years-old. (Eu tenho 35 anos de idade).

Has a car parked outside. > There is a car parked outside. (Tem um carro estacionado lá fora).

Have many reports for me to write. > There are many reports for me to write. (Há muitos relatórios para eu escrever).

Olhando para os três exemplos acima, percebemos que há usos do verbo “ter” em português que simplesmente não existem em inglês.

Em inglês, você “é” (to be) a sua idade; e o verbo haver (there + to be) não pode ser substituído por “ter” (have).

 

Present perfect and present perfect continuous – intermediário e avançado

Esses erros são cometidos até por alunos avançados – também pelo hábito contraproducente de querer traduzir tudo (do jeito errado).

São exemplos:

I went to the United States three times on business. > I have been to the United States three times on business. (Estive nos Estados Unidos três vezes a negócios).

I am working since early in the morning today. > I have been working since early in the morning. (Estou trabalhando desde cedo de manhã, hoje).

They didn’t arrive yet. > They haven’t arrived yet. (Eles ainda não chegaram).

 

O present perfect continuous, uma vez entendido, tende a fazer mais sentido na cabeça dos brasileiros porque também é possível em português, ainda que não 100% igual.

O problema maior mesmo está no present perfect. Por isso, aproveite para clicar aqui e aprender mais sobre como ele funciona.

 

Muitos erros e uma solução

Há também erros com o uso de preposições, advérbios, verbos no começo de frases, enfim, muitas outras chances de atrasar a sua fluência. Mas há também uma solução.

E ela é simples: comece a prestar mais atenção à sua produção escrita e falada. Se você já estiver mais acostumado à língua inglesa nativa (e se não estiver, mãos à obra), você vai sentir quando as coisas não parecem estar certas.

E para uma consulta completa para a resolução de todos esses problemas, venha conhecer o que o Instituto Mindset pode fazer por você!

Quer saber mais sobre nossos cursos?

Quer saber mais sobre nossos cursos?



Home >

Conheça o Instituto

em um dos cursos?

Agende sua reunião gratuita!






X

Conheça o Instituto

Agende sua reunião gratuita!
Agendar minha reunião
Teste seu inglês!
Venha testar seu nível de inglês
Saiba mais! X